Ghost writer

A tradução dessa expressão, escritor-fantasma, nesse caso não é a que mais ajuda a entender seu conceito. Afinal, o significado está mais para “escritor silencioso”. O ghost writer é a pessoa que escreve um texto e não o assina. Dessa maneira, se mantém no anonimato.

Podemos destacar diferentes momentos em que um escritor silencioso, ou anônimo, é acionado. Primeiramente, é preciso entender que ele pode aparecer de duas formas. Ou ele escreve na voz de outra pessoa, que assinará seu texto, ou ele escreve de maneira neutra, em textos que não assinados por ninguém.

Assim, um dos usos mais lembrados é na literatura. A popularização do ghost writer vem com as autobiografias. Uma personalidade, político ou bem qualquer pessoa que deseja escrever sua história em livro, mas não domina técnicas de redação, pode recorrer a esse serviço. O livro será assinado pela pessoa biografada, que na verdade não o escreveu.

Na política, é comum o uso desse profissional para escrever discursos que serão atribuídos a um presidente ou detentor de outro cargo.

Na publicidade, podemos destacar o uso do ghost writer na elaboração de conteúdos especializados. Por exemplo, no blog de uma empresa, em anuários e até em editoriais e artigos às vezes assinados por executivos.